Renamo exige demissão do director geral de STAE - Red Foxes
ELEIÇÕES GERAIS ELEIÇÕES GERAIS 2019 Noticias Politica Renamo STAE
Renamo exige demissão do director geral de STAE

Renamo exige demissão do director geral de STAE

ELEIÇÕES GERAIS ELEIÇÕES GERAIS 2019 Noticias Politica Renamo STAE

Descrição


A Renamo, o maior partido da oposição em Moçambique, exige a demissão imediata do director geral do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE), Felisberto Naife.
v A posição foi expressa pelo mandatário da Renamo, André Majibire, em conferência de imprensa havida hoje, em Maputo, argumentando que os problemas que enfermam actualmente o processo de recenseamento revelam incompetência e negligência comprovadas do STAE. 

Majibire disse que em quase todas as províncias ainda regista-se falta de painéis solares, cabos e inversores, bem como avarias constantes das poucas máquinas e impressoras existentes. 

A Renamo acusa ainda os secretários de bairros e líderes comunitários de interferir no processo de recenseamento nas províncias de Niassa, Cabo Delgado, Nampula, Zambézia, Tete, Sofala. 

“Elaboram listas com base nas quais as pessoas devem ser recenseadas e uma vez esgotadas, os brigadistas desligam as máquinas alegando avaria das mesmas, obrigando as pessoas a voltarem a casa sem se inscrever”, disse.

Afirmou que há casos em que os postos de recenseamento funcionam nos quintais de líderes comunitários, alegadamente para controlar as pessoas que se vão recensear e alega que se trata de uma orientação emanada pelos comités do partido Frelimo para excluir, deste processo, o maior número possível de membros e simpatizantes do seu partido.

Segundo o mandatário da Renamo, em Niassa, nos postos de Nassengenge, Ngongoti, Badarila, Licole e Mapudje, só são permitidas recensear pessoas cujos cartões ou BI’s são entregues aos brigadistas pelos secretários de bairros

Em Ngauma, na mesma província, de acordo com a fonte, os líderes comunitários recolhem os cartões de 2013 ou de 2014, o mesmo acontece em Sanga e em Mazindaula, onde os fiscais da Renamo foram retirados dos postos porque, alegadamente, não foram credenciados.

Majibire disse ainda que em Mandimba, o chefe do posto administrativo de Liciete mandou retirar o posto de recenseamento porque as pessoas que pretendiam se recensear eram provenientes do Malawi. Neste distrito, existem oito postos inoperacionais. 

Em Cuamba, na região sul da província do Niassa, o recenseamento ainda não arrancou em Muitetere e Lúrio alegadamente porque os materiais ainda não estão a funcionar e, em Mecanhelas, as brigadas estão a funcionar nos quintais dos líderes comunitários.

No posto administrativo de Katapua, distrito de Chiúre, na província nortenha de Cabo Delgado, há 11 postos que ainda não funcionam, o mesmo acontece em Mocímboa da Praia. Existem também problemas do mesmo género nos distritos de Mocuba, Morrumbala, Milange Gilé, Pebane e Inhassunge, na província da Zambézia, e nos distritos de Macanga, Marávia e Zumbo, em Tete, no centro do país.

Face a este cenário que se vive um pouco por todo o país, com maior incidência nas regiões centro e norte, segundo Magibire, a Renamo apela a Comissão Nacional de Eleições e aos seus órgãos de apoio a se desdobrarem para desmantelar essas práticas que violam a legislação eleitoral. 

A Renamo também pede o envolvimento do Corpo Diplomático acreditado em Moçambique, Conselho Cristão de Moçambique, Comunidade Muçulmana e outros organismos, para que se envolvam no processo, como forma de garantir eleições livres justas e transparentes. 
(AIM)
MAD/sg

0 comentario:

Escreve seu comentario