Cabo Delgado será atingido pelo Ciclone denominado “KENNETH” segundo a INGC


O Instituto Nacional de Gestão das Calamidades (INGC) garante estar com a devida atenção para responder ao sistema de baixas pressões formado na região norte do Madagáscar que, entre quarta e quinta-feira, poderá atingir a parte norte da província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, e o extremo sul da vizinha Tanzânia.
O Conselho Técnico de Gestão de Calamidades, órgão que integra o INGC, Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) da Direcção Nacional de Gestão de Recursos Hídricos, os Ministérios da Saúde e da Agricultura e Segurança Alimentar e parceiros de cooperação, esteve hoje reunido em Maputo, para analisar a situação meteorológica e hidrológica do país dos últimos sete dias.

Falando minutos após o término do encontro, o porta-voz do INGC, Paulo Tomás, disse ser prematuro avançar com medidas a serem tomadas para o sistema de baixas pressões, porque ainda se trata de uma previsão.

“Estaremos também atentos quanto a evolução desse sistema, como sabem o INGC, o INAM, a Direcção Nacional de Gestão de Recursos Hídricos trabalham de forma integrada”, disse.

Garantiu que terça-feira, o INAM deverá reunir informações mais concisas sobre o sistema para poder alertar aos parceiros de cooperação sobre eventuais modalidades que poderão ser iniciadas em Cabo Delgado.

Um alerta posto na página de “facebook” do centro de Furacões/Tufões/Ciclones adverte sobre um ciclone tropical, a designar-se “Kenneth”, que entre terça-feira até ao fim do corrente mês, pode gerar consequências para parte norte de Cabo Delgado, assim como o sul da Tanzânia.

O meteorologista do INAM, Acácio Tembe, disse à jornalistas hoje que até às 22 horas de hoje haverá a actualização do estado do tempo.

Moçambique foi, no dia 14 de Março último, fustigado pelo ciclone tropical Idai que causou mais de 600 vítimas humanas, centenas de desaparecidos, milhares de desalojados além de prejuízos avultados no tecido socioeconómico do país na cidade da Beira, bem como em toda a região centro. O ciclone também afectou severamente o Zimbabwe e Malawi.
(AIM)
Ac/sg

Publicar um comentário